Dados Cadastrais
CNPJ: 04.203.773/0001-40
Rua Augusta,66
CEP 01304-000
São Paulo - SP - Brasil
Contato
pango@pangeo.com.br
  • Whats
(11) 999165362
     Pangeo GMA 2018                                                                                                               Proibida a reprodução total ou parcial de qualquer conteúdo desta página sem a expressa permissão de seu proprietário

April 14, 2018

Please reload

Posts Recentes

Analise granulométrica para quê? Parte 2

April 6, 2018

1/3
Please reload

Posts Em Destaque

Geologia de “bolo de camadas”: vai um pedaço?

February 20, 2018

As armadilhas do uso indiscriminado da geologia de “bolo de camadas”

 

A geologia ou estratigrafia de “bolo de camadas” (layer cake) é uma aplicação radical, mas, até certo ponto intuitiva, de três princípios básicos da Geologia definidos por Nicolaus Steno no século XVII (1667): o Princípio da sobreposição das camadas, o Princípio da continuidade lateral e o Princípio da horizontalidade original. Para quem não conhece o Steno ou não está familiarizado com seus princípios, deixei algumas definições e referências sobre eles no final deste artigo.
Vamos a um exemplo da aplicação radical dos três princípios de Steno: uma interpretação das camadas identificadas em duas sondagens investigativas mostradas na Figura A. Aplicando radicalmente os princípios de Steno, o resultado seriam camadas horizontais e contínuas.

 

 Sergio Matos / PANGEO


Trata-se uma interpretação muito aceitável, mas será que apenas um modelo reflete a realidade? As mesmas informações oferecidas pelas duas sondagens podem ter outra interpretação como a mostrada na Figura B.
 

Sergio Matos / PANGEO

 

Na Figura B as camadas identificadas nas sondagens estão interpretadas na forma de lentes de areia em meio a uma camada de argila. Mas qual está certa: A ou B? Pode ser desconcertante para alguns, mas, as duas podem estar corretas! As duas são possíveis. Neste contexto, a interpretação da Figura A pode ser entendida como aquela que desconhece heterogeneidades, sendo lateralmente muito homogênea, tal como um “bolo de camadas”, e a da Figura B como aquela que lida com as heterogeneidades e provavelmente foi baseada no ambiente deposicional conhecido por cartas geológicas ou interpretado em campo (eu optei pelo modelo de paleocanais fluviais para confeccionar a Figura B). 


Mas qual a importância deste entendimento? Qual a importância de considerar ou não camadas lateralmente contínuas para o gerenciamento de áreas contaminadas? Vamos imaginar que estas camadas dos desenhos façam parte de um aquífero granular freático e que seja necessária uma remediação pela injeção de um reagente para eliminar ou mitigar significativamente uma contaminação identificada no aquífero. É fácil perceber que camadas mais contínuas e homogêneas seriam mais propícias a propagação do reagente. Porém, se as camadas de areia tiverem a forma de lentes, a chance do reagente injetado em um único ponto atingir todas as lentes de areia contaminadas seria muito remota, principalmente se as lentes estiverem separadas por argila. A Figura C ilustra de forma esquemática esta situação.
 

 

 

  
Então, como escapar do bolo de camadas? 

 

Pense fora da caixa: considere sempre uma interpretação alternativa para a estratigrafia e não apenas aquela homogênea proporcionada pelo “bolo de camadas” 
 

Supere seu medo de mudar: novos dados podem indicar a necessidade de uma revisão completa na interpretação das camadas do solo. Faça-a sempre!
 

Realize investigações de qualidade: elas certamente resultarão em interpretações mais próxima da realidade.
 

Apesar de ser intuitivo e algumas vezes refletir a realidade em estudos de pequena escala (Maliva 2016), o modelo do “bolo de camadas”, em muitos casos, significa uma interpretação assume um alto grau de homogeneização, a qual pode não ser adequada para um desenvolvimento satisfatório do gerenciamento de uma área contaminada.

 

Vai continuar aí comendo “bolinho”?
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Meu nome é Sergio Matos, sou geólogo e consultor para gerenciamento de áreas contaminadas.
 
Para comentários e sugestões:
e-mail:      sergio@pangeo.com.br
Whatsapp  11 999165362


 

 

Informações adicionais:


Nicolaus Steno foi um bispo católico e cientista do século XVII, pioneiro nos campos da anatomia e da geologia (o Google o homenageou com um doodle em janeiro de 2012: https://www.youtube.com/watch?v=6gjKI1Z4rNg).


Princípio da sobreposição das camadas, afirma que a deposição dos estratos (sedimentação) ocorre sempre por ordem cronológica da base para o topo da coluna estratigráfica (ninguém começa a montar um bolo pela cobertura!).


Princípio da continuidade lateral, afirma que as camadas de sedimentos são contínuas e estendem-se até à margem de bacia de acumulação, ou se afinam lateralmente.
Princípio da horizontalidade original, afirma que as camadas de sedimentos são originalmente depositadas de forma horizontal. 

 

Please reload

Siga
Please reload

Procurar por tags